Arquivos para posts com tag: elizabeth

imagens da primeira mostra de processo

esta é a minha vitória

Foto: Paulo Scarpa

http://www.flickr.com/photos/pauloscarpa/sets/72157626235136583

rainha coroa rugas brinco joias em geral cunilíngua* sadismo mulher pai coração paterno patriarcado elétrico e velho império cu com joias ramo na orelha vovó teimosa extensão sedosa velha manhosa abstinência língua fália a palavra trono despencando queda do bolo de casamento cálice fálico cajado confeitarias jujuba granulado glacê decapitação vermelho mesntruação real calcarização craquelento espumosa venenosa sapo gordo sapo prenho aleijado crianças malditas coitadinha pobrezinha ora ora desterro paralisia atrofia paralítica demônio aleijado corpete enferrujado efeito barulho de ferrugem empalamento taxidermia chave dourada dente de ouro olho de cera osso de pratx porcelana quebrada dar e não pegar ratos fingimento do sono traças medievais (seriam os criados?) cinderela hedionda criados galinhas tropas depenadas pavão vistoso misterioso calado papagaio inglaterra tropical inglaterra subserviente oh doce rainha oh amada vulva oh mão misericordiosa salve salve oh gigante empalada salve salve minueto quadrilha bailão irlanda irish coffee cointreau com café criadagem botinas alarde alarme virtuosos ventrílocos shakespeare boquete alado flancos dourados peluquería orlando unisex vassalos proprietários corpos apropriados pó de neve ocupados algemados alegremente encantados pela reverência delicados exibidos nobres decadentes dentes de ouro rijos falos eróticos menines abanadores de 2m de altura ventiladores bonitos a cor púrpurea negros no auge cavalariços sibéricos encavalados trotes torcem o nariz para marinheiros comedores de velinhas lambuzadas vaporizadas debochadas sem nenhuma proteção

androginia maquilada androginia maquinada

* s.f. ato de buscar e dar prazer sexual com a boca e a língua na vulva da mulher. sin/var minete (HOUAISS) >> pra constar >> vulva (…) [Na anatomia humana, compreende o monte pubiano, os grandes e pequenos lábios, o clitóris, o vestíbulo da vagina, as glândulas de Skene, as glândulas de Bartholin, a abertura da uretra e a vagina.]

 

Esta estabelecido entre nos que sua perna jamais sera tao agil sem o auxilio do meu musculo, que quando grudado a sua coxa, ja nao pertence mais a mim. Estou cedendo meu corpo ao seu auxilio porque a carne eh fraca e sua coroa, flacida e enferrujada. Os flancos debeis de seu braco rijo, galopam na minha coluna e eu sustento com graciosidade a tua nobre ossatura de ferro, eu me deleito e me aproveito do seu nome.

Sou seu cavalo erotico, sua escrava ignobil, sua ama leiteira, seu carrasco servil, e toda noite, eu me deito para te deitar. Vamos galopar nos bosques de arvores compradas e beber do leite extraido da cabra criada em laboratorio estrangeiro. Ofereco as minhas nadegas para o tapa do seu cetro, ofereco a minha pele para ser marcada, ofereco a minha boca para confeita-la, e depois come-la, como faz a grande plebe, devorando sua rainha, idolatrando o seu totem, sugando o leche royal. (As abelhas operarias, quando a rainha se torna infertil, copulam em um motim e a estragulam, substituindo por outra, mais jovem e de vulva mais macia. A organizacao da colmeia passa por rigidos padroes de hierarquia que se repetem a seculos, porque respeitam a sua bilogia de insetos).

Eu, inseto parasita, me ponho de joelhos e pes untados de farinha, e prometo que sua propriedade jamais sera invadida, e ainda posso te abanar em leques de avestruz enquanto observo o trono.

 

 

 

Carrasco erotico, Orlando Furioso.

Elizabeth é um território em constante construção. Há uma infinidade de servos, partes do seu corpo múltiplicado, escravos. Uma máquina que jamais para enquanto vive. Cada movimento, ação, ato necessita de auxilio, mas isto não a  torna mais frágil.

IMPOTENCIA +  REALEZA

– Cavalos

– Banho

– Alimentação

– Montagem (sistema para falar, declarações a Orlando)

– Amparo das partes que caem (pelhancas, rugas, pedaços, membros)

– Abertura dos olhos terríveis

– Sensualização Ciborgue

guilherme marks.

I

Na carcaça: fragilidade, potência e um último suspiro monarca de uma Rainha Máquina repleta de passado e memória. O mundo é meu jogo,a Inglaterra minha Jóia. Caminha e abre linhas com os pés pequenos, retorcidos, e firmes

desenha ferrovias infinitas, ultrapassa fronteiras, navega e devasta

lança a primeira pá de carvão e gira engrenagens,

Tentáculos tudo abraçam, mil olhos brotam, línguas tudo provam.