Arquivos para posts com tag: ironia que é veiculada qdo se explicita o caráter construído/literário da historiografia e das biografias


‘Autorretrato’, 1926

En ninguno de los autorretratos de Claude Cahun hay una constancia explícita del sexo del modelo (Musée des Beaux-Arts de Nantes © RMN / Gérard Blot)

Tanto essa reversibilidade quanto esta polivalência conferem à analogia um campo universal de aplicação. Por ela, todas as figuras do mundo podem se aproximar. Existe, entretanto, nesse espaço sulcado em todas as direções, um ponto privilegiado: é saturado de analogias (cada uma pode aí encontrar um de seus pontos de apoio) e, passando por ele, as relações se invertem sem se alterar. Esse ponto é o homem; ele está em proporção com o céu, assim como com os animais e as plantas, assim como com a terra, os metais, as estalactites ou as tempestades. Erguido entre as faces do mundo, tem relação com o firmamento (seu rosto está para seu corpo assim como a face do céu está para o éter; seu pulso bate-lhe nas veias como os astros circulam segundo suas vias próprias; as sete aberturas formam no seu rosto o que são os sete planetas do céu); todas essas relações, porém, ele as desloca e as reencontramos, similares, na analogia do animal humano com a terra que habita: sua carne é uma gleba, seus ossos, rochedos, suas veias, grandes rios; sua bexiga é o mar e seus sete membros principais, os sete metais que se escondem no fundo das minas [Crollius, Traité des signatures, p. 88]. O corpo do homem é sempre a metade possível de um atlas universal. Sabe-se como Pierre Pelon traçou, até nos detalhes, a primeira tábua comparada do esqueleto humano com o dos pássaros: ali se vê “a ponta da asa chamada apêndice, que está em proporção com a asa, com o polegar, com a mão; a extremidade da ponta da asa, que é como nossos dedos (…); o osso, tido como pernas para os pássaros, correspondendo ao nosso calcanhar; assim como temos quatro dedos pequenos nos pés, assim os pássaros têm quatro dedos, dos quais o de trás tem proporção semelhante à do dedo grande do nosso pé” [P. Belon. Histoire de la nature des oiseaux. Paris, 1955, p. 37.] Tanta precisão só constitui anatomia comparada para um olhar munido dos conhecimentos do século XIX. Ocorre que o crivo pelo qual deixamos chegar ao nosso saber as figuras de semelhança recobre nesse ponto (e quase somente nesse ponto) aquele que o século XVI dispusera sobre as coisas.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1999. pp. 30-31.

“Bernart de Ventadorn era de Limousin, do Castelo de Ventadorn, e era de pobre linhagem, filho de um servente do castelo que tinha o ofício de padeiro e acendia o forno para cozer o pão; e ele era belo e destro e soube cantar e trova bem e era cortês e educado; e o Visconde, seu senhor, de Ventadorn se tomou de afeição por ele e por seu trovar e o cobriu de honras; e o Visconde tinha uma mulher, mui gentil dama e alegre, e ela se tomou de afeição pelas canções de Bernart e se enamorou dele e ele dela, tanto que fez canções e versos sobre ela e sobre o amor que sentia; longo tempo duraram os seus amores antes que o Visconde se apercebesse; e quando o Visconde se apercebeu, afastou-se dele e fez encerrar e guardar muito bem a mulher, e a mulher se despediu de Bernart, que partiu para bem longe daquele lugar; e ele partiu e foi para a terra da Duquesa de Normandia, que era jovem e de grande valor e digna de méritos e louvores; e as canções de Bernart agradaram-lhe muito e ela o recebeu e acolheu muito bem; longo tempo ele esteve em sua corte e se enamorou dela e ela dele e sobre isso fez muito boas canções; e estando com ela, o Rei da Inglaterra a tomou por mulher e a levou para a Inglaterra; e Bernart ficou, triste e cheio de dor; e se foi ao bom Conde Raimundo de Tolosa, e com ele ficou até que o conde morreu; e Bernart, por aquela dor, entrou para a Ordem de Dalon e lá definhou; e o conde Ebles de Ventadorn, filho da viscondessa que Bernart amou, contou-me a mim, Hugo de S. Circ, isso tudo que fiz escrever sobre Bernart.”

(Citado por Campos, Augusto. Verso, reverso, controverso. São Paulo: Perspectiva, 1978. 2. ed. Pp-80-81)

 

muito útil para nós, trabalhadoras do intelecto. baixe clicando neste post.

aparições de poetas, Browne, Shak, Thomas, Nicholas Greene, O. e sua vocação, volta aos cães, primeira menção a Milton, no café, até agora só homens, Pope, Swift, Addison, Johnson, Boswell, sra. Williams, menção a Shelleq, ironia que é veiculada qdo se explicita o caráter construído/literário da historiografia e das biografias, transformações sociais, Quixote, chegada de Isabel, mundo isabelino, primeiro poeta, a grande geada (Jaime), chuva (gótico?), (Carlos), imperialismo, monumentos em Londres, urbanização, salonières, nuvem, (Vitória), aliança, trem, livraria, luz, tecnologia has (??), metamorfoses/carreira, Ordem da Jarreteira, amor (varonil), grande sono, 30 anos, mobilização, festas, Constantinopla, Ordem do banho = duque, roubam coroa e jarra, cigana, matriz heterossexual, estou crescendo, roupas, casa, gravidez, fantasma, 1/11/1927, contemplação, solidão, amor, 3 virgens (…), o último capítulo tem uma unidade ppria, e o final é condizente com ele, carvalho (amarrou seu coração), O. p/ Eliz., livro, lareiras, paisagem, poema, poema, poema, poema, poema, poema, seg., figueira, maolína (?), figueira, ganso selvagem, sono, metáfora (bom p. comer), 3 filhos, fé – natureza, cristianismo, uma história da poesia, amores – russa andrógina = Sacha, 3 nobres, amores insípidos, Harriet Griselda, romena, travestida? (Nell Gwyn, flerte), adorado por mulheres e poetas, mulher e homem, grande dama, homem, Rosina Pepita, capitão, sumiram, Shelmerdine

isso serve para: cada coisa entre vírgulas tem referência de página, se alguém quiser. minha edição é da nova fronteira, mas é a mesma tradução do círculo (Cecília Meireles) e deve ter um esquema pra equiparar páginas.